Categorias
Sem categoria

Como os profissionais da saúde podem atuar nos diferentes níveis de atenção à saúde?

Como os profissionais da saúde podem atuar nos diferentes níveis de atenção à saúde?

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), existem três diferentes níveis de atenção à saúde. São eles: nível primário, secundário e terciário. E qual é a diferença entre esses níveis?

O nível primário é considerado a porta de entrada do Sistema Único de Saúde, onde ações de promoção à saúde e prevenção de doenças são realizadas. Neste nível não há tratamento de doenças ou procedimentos complexos. Exames e consultas de rotina são realizados para manter uma vida saudável do indivíduo. Dependendo do estado de saúde do paciente, este é encaminhado para os níveis secundário e terciário.

As ações no nível primário podem diminuir consideravelmente o agravamento de doenças não transmissíveis, como a diabetes e doenças cardiovasculares. Os profissionais de saúde podem desenvolver campanhas de prevenção e promoção à saúde, palestras, desenvolvimento de cartilhas informativas, dentre outras ações que objetivam orientar a população sobre os cuidados com a saúde.

No nível secundário, o paciente recebe atendimento de profissionais da saúde mais especializados, como cardiologistas por exemplo. O paciente se submete a exames para diagnóstico da doença e tratamento específico.

Já no nível terciário, o paciente passa por procedimentos de alta complexidade, pois sua doença evoluiu para um estágio mais grave, precisando até mesmo de exames invasivos e cirurgias. A reabilitação do paciente também se encontra neste nível. O objetivo do profissional da saúde é restabelecer as funções do corpo que ficaram debilitadas com a doença.

Os profissionais da saúde precisam estar aptos para atuar em todos os níveis de atenção da saúde, desenvolvendo ações de promoção, prevenção, tratamento e recuperação do indivíduo, sempre visando a equidade e integralidade do paciente.

 

Escrito por Flávia Ribeiro, Empreendedora dos Cursos de Saúde da Faculdade Serra Dourada Altamira. 

Compartilhe nas redes sociais!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Categorias
Sem categoria

Transtornos Alimentares e Odontologia

Transtornos Alimentares e Odontologia

Vivenciamos atualmente inúmeros problemas na nossa sociedade, derivados de uma busca pela perfeição e por tentativas de se enquadrar em “padrões” denominados como perfeitos pela sociedade.

Um desses problemas são os transtornos alimentares. Estudos brasileiros demonstram o aumento significativo de adolescentes com esses transtornos. A Sociedade Brasileira de Neuropsicologia, em seu boletim de 2019, trouxe dados como a incidência aproximada de bulimia nervosa de aproximadamente 13 casos a cada 100 mil indivíduos por ano.

Esses dados são alarmantes, mas o importante é que os profissionais de saúde e os pais estejam atentos e conheçam sobre esses transtornos.

Os transtornos alimentares manifestam-se de forma combinada ou separadamente e podem estar associados a diferentes tipos de comportamento. Mas o principal é que estes transtornos têm potencial de influenciar a saúde geral e também a saúde bucal das pessoas.

Os transtornos alimentares são divididos em 3 principais diagnósticos:

  • Anorexia nervosa
  • Bulimia nervosa
  • Transtorno alimentar não especificado de outra forma

Cirurgião-dentista x 

Distúrbios alimentares

Os cirurgiões dentistas podem ser os primeiros profissionais a desconfiar destas alterações, pois os distúrbios alimentares podem estar associados a alterações na saúde bucal. As alterações bucais variam de transtorno para transtorno, mas podem incluir desde erosão dentária, hipersensibilidade, até aumento de lesões de cárie dentária.

Está aí mais um motivo para as visitas rotineiras ao consultório odontológico. Não deixe de levar seu filho, principalmente o adolescente ao seu dentista! E você, profissional ou futuro profissional, não negligencie nenhum transtorno, pois a saúde é algo interligado e indissociável.

Referências: Johansson et al., 2012; Hermont et al., 2013.

Escrito por Carolina Freitas Lage. Empreendedora do Curso de Odontologia da Faculdade Serra Dourada de Altamir

Compartilhe nas redes sociais!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Categorias
Sem categoria

Quero fazer o curso de Direito: quais oportunidades posso ter como profissional no futuro?

Quero fazer o curso de Direito: quais oportunidades posso ter como profissional no futuro?

O curso de Direito normalmente é buscado pelas pessoas em função do grande leque de oportunidades que abre. Você pode ser advogado, pode buscar uma carreira na administração pública – e são dezenas de concursos que se apresentam para o bacharel em Direito; pode ainda ser jurídico interno de uma empresa… Enfim, este curso realmente amplia muito o universo de possibilidades profissionais…

Mas o curso de Direito é muito mais que isso. Ele não abre apenas possibilidades de trabalhos de ser um advogado, juiz, delegado ou promotor de justiça, ele garante a todos uma consciência única da própria cidadania!

Saber quais são os Direitos Fundamentais a que tem direito todo cidadão, entender como funcionam as instituições do nosso Estado Republicano, compreender as obrigações do Governo dentro de um Estado Democrático de Direito etc faz nascer em todos nós um senso crítico muito importante para toda a vida. O curso de Direito nos torna cidadãos mais completos.

Além disso, o Direito é muito legal e tem tudo a ver com os que não se acomodam, com aqueles que gostam de desafios, com quem quer mudar sua própria vida e ajudar a mudar a vida dos outros.

Como advogado, você pode trabalhar em grandes processos judiciais, pode ser um consultor jurídico empenhado em buscar soluções para as mais diversas situações, pode ser o fundador de uma startup jurídica para viabilizar o acesso ao judiciário de uma forma mais descomplicada, dentre outras possibilidades.

Como um juiz ou promotor de justiça, você pode transformar a vida de milhares de pessoas com ações positivas que vão impactar comunidades ou grupos minoritários que precisam contar com o Poder Judiciário para fazer valer os seus direitos.

Como defensor público, sua missão será sempre buscar defender os mais vulneráveis e garantir, a todos, sem distinção, o sagrado direito de defesa.

Se você se vê do lado daqueles que querem transformar, seu caminho começa por aqui.

Escrito por Gustavo Xavier – Empreendedor do Futuro do Curso de Direito da Faculdade Serra Dourada de Altamira.

Compartilhe nas redes sociais!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp